Visita a Milão: como explorar a cidade de maneira EFICIENTE!

RESPIRANDO A MODA…

Esticando mais uma vez minha passagem pela Itália, vindo de Veneza, resolvi respirar os ares da cidade mais fashion do mundo, numa visita a Milão. Para ir de Veneza a Milão, a viagem de trem foi bem rápida, em torno de 2h.

Confesso que, quando decidi fazer essa visita a Milão, fiquei meio preconceituoso com relação à cidade… Afinal, o que fazer lá? Não é uma cidade de grandes atrações turísticas, não é uma parada obrigatória para quem visita a Itália… Por que ir até lá?

Respondi para mim mesmo, após algum tempo refletindo sobre isso: em primeiro lugar, a cidade é destino fácil vindo de Veneza. Se eu tenho alguns dias disponíveis, por que não fazer essa visita a Milão? E, em segundo lugar, eu estaria me enganando, achando que Milão não tem o seu valor… É uma cidade LINDA! De fato, não tem o atrativo turístico de outros pontos da Itália mas, se fizermos uma análise mais minuciosa, logo percebemos que: trata-se de uma das cidades mais desenvolvidas da Itália, é a cidade de 2 dos maiores clubes de futebol do Mundo, abriga uma das maiores obras de arte do mundo, que é a Última Ceia, de Leonardo da Vinci, e possui um dos maiores Duomos da Europa, o Duomo di Milano. Sem falar que a cidade é considerada a capital mundial da moda, o que a torna destino certo daqueles que são amantes do mundo fashion e suas novidades.

duomo 1

Não sou deste tipo de turista, que gosta de acompanhar a moda e gastar rios de dinheiro com essas coisas, mas gostei de ver toda essa atmosfera que toma conta da cidade, com pessoas andando muito bem vestidas para todos os lados em sintonia com o design da cidade que reúne prédios de construções antigas em harmonia com prédios mais modernos. Uma cidade bem bonitinha, organizada e FÁCIL DE SE ANDAR.

Para essa visita a Milão, reservei 2 dias. Achei suficiente. Deu para ver de tudo e passear bem pelos pontos mais importantes da cidade.

Para começar, conforme dito anteriormente, cheguei em Milão vindo de Veneza, desembarcando na estação Milano Centrale. A chegada já foi impactante: cheguei na estação de trem mais linda da Itália que eu tinha visto até o momento. Parece até um castelo. Eu, particularmente, achei o primeiro grande “referencial fashion” da cidade…rs. Tirei algumas boas fotos ali mesmo, na praça que fica em frente à estação, para iniciar os registros da cidade…rs.

estação

Depois, seguindo mais uma vez a estratégia de me hospedar em hotéis próximos às estações de trem, em meia hora após minha chegada em Milão eu já estava com o check in feito no excelente Hotel Garda, de mapinha na mão (fornecido pelo mesmo) e perambulando pelas ruas de Milão (por volta das 10:30 hs da manhã). E logo percebi uma coisa que não tinha disponível em outras cidades da Itália: em muitos pontos de Milão, existe serviço de Wi-fi grátis na rua. ISSO MESMO, INTERNET GRÁTIS!!! Achei o máximo…rs.

Saindo do hotel, e seguindo o mapinha, rapidamente me dirigi para o ponto auge da cidade de Milão: o Duomo. Após uma caminhada de +- 35 min (para quem não quer andar, pode-se ir de metrô, da estação Milano Centrale até a estação Duomo) já estava lá, diante dessa linda obra de arte. O maior Duomo que vi nessa minha visita à Itália. Impressionante a dificuldade de tirar uma foto em que o mesmo aparecesse por completo, tamanha sua grandiosidade…rs. Muito bacana e imponente.

Após alguns minutos admirando o Duomo (o qual é possível entrar para uma visita interna e subir algumas escadas no seu interior para ver de cima detalhes de sua arquitetura), fiz uma visita à Galeria Vitorio Emanule II. Trata-se de uma galeria onde encontram-se muitas lojas de grife e restaurantes super chiques, onde pobres mortais como eu não costumam fazer compras, apenas visitas…rs. UM VERDADEIRO LUXO! Essa galeria possui ainda um telhado feito de vidro que dá um toque a mais de requinte à galeria, tornando-a ainda mais elegante.

duomo eu

vitorio

No interior da galeria, na praça central da mesma, as pessoas praticam um ritual muito engraçado: existe um desenho de um touro no piso da praça, onde as pessoas pisam nos testículos do touro com o calcanhar direito e giram no sentido horário. Segundo a crença, esse ritual traz sorte e dinheiro para o praticante. Como eu estou precisando de um trocadinho, fui lá e dei uma boa esmagada nos “bagos” do pobre touro…kkk.

touro

Saindo dali, passando para o outro lado da galeria, resolvi tirar umas fotos no Teatro alla Scala, famosíssimo em Milão. É uma pracinha pequena, mas bastante agitada e constantemente cheia de gente querendo a tal foto também.

Após esse registro rápido, retornei para a Galeria e, seguindo uma rua lateral à mesma, resolvi fazer um lanchinho famoso de Milão num estabelecimento que é igualmente famoso por lá: comi um panzerotti, iguaria típica da cidade, numa lanchonete chamada Luini. Filas e mais filas para comprar o lanchinho que custou em torno de 5 euros. Trata-se uma massa de pizza, só que é frita e fechada, recheada de queijo e tomate (mas existem outros sabores). Uma delícia…

panzerotti

Depois disso, resolvi visitar o famoso Castelo Sforzesco, que fica a uns 15 minutos a pé dali. Local igualmente maravilhoso para tirar fotos, com sua atmosfera medieval e construções bem conservadas. E logo atrás do castelo, existe o Parco Sempione, que é uma área verde super agradável, onde as pessoas relaxam respirando um ar puro caminhando, fazendo piqueniques, etc. Rende boas fotos. No final desse parque, ainda existe um arco, que lembra o Arco do Triunfo, de Paris. Bom para fazer registros fotográficos também.

parco

arco

castelo

Ao fim dessa visita ao parque, retornei para o meu hotel e jantei num restaurante próximo do mesmo para descansar desse primeiro dia de visita. Para o retorno, utilizei o metrô da cidade, que é fácil de usar e possui máquinas de fácil manuseio (aceitando cartões de débito/crédito ou dinheiro em espécie) no interior de suas estações, mesmo para aqueles que não falam bem o inglês ou o italiano.

Para meu segundo e último dia, resolvi acordar bem cedo para utilizar o metrô e visitar o estádio Giuzeppe Meazza (San Siro), que abriga jogos de Milan e Internazionale, famosos times de futebol da cidade. Em menos de 25 minutos, saindo da estação do metrô Milano Centrale, eu já estava na estação Lotto, até o momento a mais próxima do estádio, o qual ainda levei uns 15 minutos de caminhada para chegar. Mas percebi que o metrô da cidade estava em obra e que vão abrir uma estação ainda mais próxima do estádio muito em breve. Esta visita rendeu algumas boas fotos mas, confesso, esperava mais do estádio… Achei a região meio abandonada em dias que não tem jogo…

san siro

Como essa visita era rápida, ao fim da sessão de fotos peguei o metrô novamente e fui direto para a estação Cadorna, onde visitei a praça do Cenáculo Vinciano, anexo à Igreja de Santa Maria delle Grazie, onde se encontra a Última Ceia, de Leonardo da Vinci. Para ver essa obra de arte é necessário reservar o ingresso com +- uns 3 meses de antecedência, devido à intensa procura. Como não sou, conforme citado anteriormente, grande amante da arte e, ainda por cima, não é permitido tirar fotos da obra, não me animei de fazer a visita. Me contentei com a visita ao local e só…rs.

 Dali, voltei novamente para a Praça do Duomo, que é bem próxima, e resolvi visitar, próximo dali, o Quadrilátero da Moda. Trata-se de uma região de Milão onde encontram-se novamente reunidas as maiores lojas de grife do mundo bem próximas uma das outras. Outra região bem chique que, para mim, só rendeu fotos, já que não me arrisquei a comprar nada por lá…rs.

E, para não dizerem que não comprei nada em Milão, porque é uma cidade só para quem tem bala na agulha, resolvi visitar a região que é para os mortais como eu: a Corso Buenos Aires, próxima ao meu hotel (ou seja, próxima à estação Milano Centrale). Mas não é uma rua que vende artigos sem qualidade. Trata-se de uma rua onde podemos encontrar bons produtos (em sua maioria roupas) a preços acessíveis a todos, e não com os preços exorbitantes dos arredores da Praça do Duomo. Está sempre cheia de gente fazendo suas compras e possui muitos bares e restaurantes, onde pode-se aproveitar para fazer as refeições do dia a preços bem em conta. Em um dos restaurantes/barzinhos de lá, paguei 8 euros por uma cerveja grande e participei de um happy-hour onde o buffet (bem diversificado) era liberado. Comi bem e por apenas 8 euros. Achei bem em conta…

Esse tipo de promoção também é bastante encontrada no bairro Navigli, que é famoso pela night animada e pelos bares e restaurantes. É o tipo de destino procurado por aqueles que gostam e fazem questão da vida noturna em suas viagens. A melhor estação de metrô para chegar no bairro é Porta Genova.

Ao fim de minha visita à Corso Buenos Aires, voltei para o hotel para fazer minha mala. Afinal, eram meus últimos instantes na Itália e, no dia seguinte, já estaria dando minhas aulas novamente no Rio de Janeiro, de volta para minha realidade…rs.

DICAS IMPORTANTES SOBRE TREM NA ITÁLIA:

. Sempre que possível, compre todos os seus bilhetes com antecedência no site da Trenitália. Não é complicado e basta imprimir o voucher. Quanto mais próximo da data da viagem, mais caro fica o bilhete. Saiba, DETALHADAMENTE, como adquirir seus bilhetes de trem pela internet, sem stress, aqui.

. Para aqueles que sempre preferem comprar na hora e se preocupam com uma eventual falta de bilhetes, acho que raramente alguém deixa de viajar por esse motivo, pois existem muitos trens disponíveis e as linhas ferroviárias italianas são bastante organizadas, inclusive com relação aos horários de chegada e partida. Portanto, nunca cheguem atrasados.

. Comprar bilhetes na hora nas máquinas é muito simples. Pode-se comprar com euros em espécie ou com cartões de débito/crédito, escolhendo data hora, preço e tipo de trem que se deseja. Existe a opção de escolher o idioma espanhol para utilizar a máquina e é super tranquilo.  No meu caso, comprei utilizando cartão de crédito e tudo correu super bem.

. Viaje SEMPRE com seu voucher/bilhete em mãos pois o mesmo é solicitado por um funcionário da Trenitália ao longo da viagem.

DSCN1739

DICAS IMPORTANTES SOBRE ALIMENTAÇÃO NA ITÁLIA:

. Uma combinação muito utilizada por lá para almoço/jantar é o Primi piatti que acompanha o Secondi piatti. O Primi piatti é a massa, que se come primeiro e depois é servido o Secondi piatti, que é uma carne, frango ou peixe que se deseja. Para se comer barato na Itália, é preciso pesquisar um pouco porque uma combinação dessas pode variar de 7 euros até 18 euros por pessoa, de um restaurante para outro.

. E claro, não se pode deixar de considerar o Mc Donalds, presente em todas as estações de trem, para as grandes emergências…rs. Afinal, o lanche básico formado por um Big Mac, refrigerante e batata média alimenta razoavelmente bem e fica em “apenas” 6,50 euros…rs.

Gostou desta dica? Se quiser ver mais dicas de viagens internacionais, clique aqui.



Booking.com

The following two tabs change content below.
Luiz Carahu é professor, carioca, e apaixonado pela arte de conhecer lugares novos. Sempre que é possível, dá uma escapada para dar uma monitorada no mundo e ver se está tudo em ordem pelo planeta Terra...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *