Visita ao Rio de Janeiro: o básico em 5 dias… BARATO E EFICIENTE!

“DO LEME AO PONTAL, NÃO HÁ NADA IGUAL…😎” – O Rio de Janeiro do ponto de vista de dois ilustríssimos cariocas: Jorge Ben Jor (letra e vocal) e Tim Maia (vocal).

Hoje resolvi tirar um peso da minha consciência com relação a algo que deveria ter feito faz tempo… Como legítimo carioca que sou, acho que sempre tive a obrigação moral de fazer uma postagem com um roteiro mostrando como aproveitar minha cidade, o Rio de Janeiro. E eu já vinha adiando essa missão tem um tempo…

E porque eu adiei tanto assim? Por que o turista, numa visita ao Rio de Janeiro, pode desfrutar dessa cidade enorme de milhares de maneiras diferentes, diante da infinidade de atrações que esse lugar oferece… Ainda mais depois dos Jogos Olímpicos e da Copa do Mundo, que fez a cidade passar por muitas transformações, principalmente em relação ao transporte público, e que melhoraram significativamente todas as regiões, em especial na Zona Sul da cidade… Por isso, escrever um roteiro sobre como aproveitar esse local não é das tarefas mais fáceis…

Diante disso, vamos então supor o seguinte: uma situação em que

o visitante tem 5 dias para fazer uma visita ao Rio de Janeiro, quer se hospedar na Zona Sul (na minha opinião, o melhor local para se hospedar, pois está próximo de muitas das principais atrações) e quer passar pelo indispensável que a cidade tem a oferecer. Vou descrever um roteiro baseado nessas condições, ok? Mas lembrando que, embora 5 dias seja muito pouco mesmo para conhecer tudo daqui da Cidade Maravilhosa, já dá para apreciar bem a cidade para uma primeira visita…

Comecemos pela chegada: desembarcando, digamos pela manhã, no Aeroporto Tom Jobim, além das óbvias opções de táxis para sair do aeroporto (caso deseje pegar táxi, porém não muito caro, pegue o táxi comum, que no Rio de Janeiro é sempre de cor amarela. A corrida até a Zona Sul deve ficar em torno de 60 reais), existe também a opção de se pegar um ônibus especial, que possui ponto de parada em frente à saída do aeroporto e que não enfrenta engarrafamento pois tem faixa exclusiva, chamado BRT. O preço desse ônibus, hoje, é o preço de um ônibus comum aqui na cidade: R$ 3,80. Estando o visitante hospedado na Zona Sul da cidade (e está sem pressa de chegar ao hotel e não liga muito para conforto…rs), o mesmo deve pegar esse BRT, descer na estação Vicente de Carvalho e fazer a conexão com o Metrô Rio (que custa hoje R$ 4,10 e cujo mapa está aqui) para ir de metrô até a Zona Sul da cidade. Demora um pouco mais para chegar mas rende uma bela economia…

Uma boa sugestão de hotel é o Hotel Íbis Rio de Janeiro Botafogo, em Botafogo. Boa relação custo-benefício, local tranquilo, longe da agitação de Copacabana, próximo ao metrô e mais em conta do que ficar num hotel de mesma categoria em Copacabana (bairro mais visado pelos turistas). Até porque Botafogo é um bairro vizinho à Copacabana e o turista está a apenas UMA estação de metrô de Copacabana. Ou seja, a 2 minutos do famoso bairro.

Obs.: o turista que vem pela primeira vez ao Rio de Janeiro, na maioria das vezes, escolhe ficar num hotel em Copacabana. Para quem quer ficar no meio do “fervo” é, com certeza, uma das melhores opções. Só que esse tipo de sugestão, para uma postagem sobre onde se hospedar no Rio de Janeiro, acaba sendo muito “clichê”. Procurei fazer uma sugestão alternativa, onde o visitante ficaria num local mais tranquilo e mais em conta, porém razoavelmente perto da “Princesinha do Mar”…rs. Mas se o visitante faz questão de ficar num hotel de frente para o mar, porém não exatamente em Copacabana, existe ainda a opção de se hospedar em Ipanema, que também é um bairro vizinho e de onde inclusive é possível ir andando até Copacabana. Mas já vou avisando: os preços são SENSIVELMENTE mais salgados…

Já devidamente instalado, pode-se pegar o metrô (a estação Botafogo possui terminais para se adquirir o Riocard, cartão inteligente de transporte que pode ser carregado na própria máquina com um valor em dinheiro para pegar tanto ônibus quanto metrô sem precisar pegar filas) e, em 2 min, desembarcar em Copacabana, na estação Cardeal Arcoverde. Em 3 min andando, já se chega na praia. O visual, a famosa Praia de Copacabana, na Avenida Atlântica, dispensa comentários. Não é uma das praias mais famosas do mundo à toa… Merece o título…rs.🏖😎

Passar o dia na praia, seja caminhando, andando de bicicleta, andando de skate ou mesmo tomando uma cervejinha ou uma água de coco, esperando o pôr-do-sol, já é a primeira grande atração. O passeio no calçadão, para as famosas fotos, é indispensável. A praia também conta com boa estrutura para atender os visitantes, seja na areia (com os barraqueiros), seja no calçadão (com os bem estruturados quiosques).

visita ao Rio de Janeiro

visita ao Rio de Janeiro

visita ao Rio de Janeiro

Após passar o dia curtindo o Sol na praia de Copacabana (no Rio de Janeiro costuma fazer Sol quase que o ano todo), a night pode ser aproveitada na……… Praia de Copacabana também! Alguns dos quiosques do calçadão contam com música ao vivo e ficam abertos até bem tarde da noite. Sem contar que a praia a noite fica linda e rende ótimas fotos. Mas atenção: não recomenda-se passear na areia à noite! Como em alguns locais a faixa de areia é bem larga e, em alguns pontos, a água fica longe do calçadão e por isso fica um pouco deserta, passear à noite por lá não é muito seguro pois existe risco de roubo ou outras formas de violência (aqueles velhos problemas de cidade grande)…

Caso os preços dos quiosques estejam um pouco acima do esperado, ainda existe a possibilidade de se beber em bares mais populares do bairro (em ruas mais para dentro do bairro, mais afastados da praia) ou mesmo em Botafogo, que também possui muitos bares populares. Em especial, em Botafogo, recomenda-se os bares da Rua Voluntários da Pátria, que são super animados e com preços atraentes. Sem falar que é bem próximo do hotel sugerido também… Com isso, fecha-se o primeiro dia de visita à cidade…

No outro dia, bem cedo, recomendo um novo dia de praia. Só que, dessa vez, apreciando as praias de Ipanema e Leblon, que são bairros vizinhos de Copacabana. Também facilmente acessível pelo metrô, pode-se desembarcar na estação Antero de Quental no Leblon e partir para a praia, que fica a 3 min a pé da estação. Uma caminhada no calçadão é super convidativa, no sentido Ipanema. A Praia de Ipanema eu considero, particularmente, a melhor praia da Zona Sul do Rio. Após curtir um pouco a praia, na hora do almoço eu super recomendo o restaurante Garota de Ipanema, que fica na esquina das Ruas Vinícius de Moraes e Prudente de Moraes. Restaurante famosíssimo da cidade, onde Tom Jobim e Vinícius de Moraes compuseram a famosa canção “Garota de Ipanema”, imortalizando assim o local, que atrai muitos turistas. Vale muito a pena uma visita…

Após o almoço, sugiro uma nova caminhada pela praia, porém agora em direção à Praia do Arpoador. Uma praia linda que fica entre as praias de Copacabana e Ipanema e que, assim como a Praia de Ipanema no fim da tarde, possui um dos pôr-do-sol mais lindos do Rio de Janeiro. Não deixe o local antes de ver esse ESPETÁCULO. É comum os cariocas baterem palmas para o pôr-do-sol nas praias do Arpoador e Ipanema. Por isso, não se assuste se testemunhar essa cena e não entender o que se passa…rs.

visita ao Rio de Janeiro

Após esse espetáculo, sugere-se voltar de metrô para o hotel para um merecido descanso (praia cansa bastante…rs). Mas, se ainda assim tiver energia para uma noitada, uma boa sugestão de boate é a Baronneti, que fica na Rua Barão da Torre, em Ipanema. Super bem frequentada, com boa música, bons petiscos, pessoas bonitas e animação. Para voltar de táxi, caso o metrô já esteja fechado, o valor da corrida deve ficar em torno de 22 reais, nada muito impossível…rs

Para o terceiro dia na cidade, um passeio super clichê, porém indispensável, é uma visita ao Cristo Redentor, no Morro do Corcovado. Como o metrô (que é a melhor opção de transporte público da cidade) está perto do sugerido hotel, vou sugerir também as opções que envolvem o mesmo: a primeira possibilidade é ir até a estação Cardeal Arcoverde (Copacabana) e pegar uma van autorizada da prefeitura na Praça do Lido (a 5 min andando da estação). Ali compra-se o bilhete que inclui a ida, a volta e a entrada para o monumento (informações de horários e valores no site oficial, clique aqui). A outra opção é pegar o metrô até a estação Largo do Machado e pegar também uma van autorizada que leva, traz e oferece a entrada também no mesmo ticket. Minha sugestão: vá pela opção da estação Largo do Machado. Na volta, pode-se emendar uma visita ao Museu da República/Palácio do Catete, local onde Getúlio Vargas se suicidou e antiga sede do governo federal antes da mudança para Brasília, no bairro do Catete (próximo ao Largo do Machado). Após o museu (que acaba incluindo um programa cult na visita ao Rio), cai bem uma caminhada no Aterro do Flamengo, um grande parque que beira a Praia do Flamengo (nenhuma relação com o time de futebol…rs), onde as pessoas se exercitam, praticam esportes e fazem piqueniques. É possível inclusive voltar andando para Botafogo, no hotel sugerido, caso deseje fazer um exercício de caminhada também…rs. Caso bata o cansaço, existem as possibilidades de se voltar rapidamente de ônibus ou de metrô. Sugere-se para a night, caso ainda reste alguma energia, uma cerveja nos bares próximos ao hotel (de repente na Rua Voluntários da Pátria novamente…rs).

Para o quarto dia, saindo cedo, um passeio clichê novamente para quem faz uma visita ao Rio de Janeiro: Pão de Açúcar. É possível ir andando do hotel até o ponto de subida dos bondinhos no bairro da Urca (mas leva uns 35 ou 40 minutos andando). Se quiser economizar tempo, um táxi até o local não deve passar de 15 reais (Obs.: dos pontos turísticos citados nesse post, o Pão de Açúcar é o único que não é acessível via Metrô Rio). Numa manhã é possível fazer a visita de maneira eficiente e fazer todos os inesquecíveis registros fotográficos da cidade à partir da bela vista que o local oferece. Para esse dia, após a volta do Pão de Açúcar, sugere-se uma boa tarde de descanso no hotel para um programa mais desgastante na noite desse mesmo dia: conhecer a night na Lapa (se puder, planeje a viagem para esse dia cair numa 6f ou num sábado). Chegando por volta das 20 hs, o local já está ficando bem animado, com grande movimentação nos bares e nas casas de espetáculo que existem por lá. Muita diversidade, cerveja gelada, petiscos, gente bonita, gente feia, gente esquisita, gente chique, samba, funk, sertanejo, tem de tudo. É uma excelente opção para uma night carioca com os amigos. Mas o melhor é a animação, que nunca falta no local…rs.

O último dia pode ser aproveitado da seguinte maneira: pela manhã um tour guiado pelo Maracanã ⚽ (informações de preços e horários aqui), estádio mais famoso do Brasil, que já recebeu duas finais de Copa do Mundo e as finais dos torneios de futebol masculino e feminino de uma Olimpíada. O estádio foi todo reformado para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016 e está ainda mais bonito. Todos os anos atrai milhares de turistas, devido à sua história e como um dos grandes símbolos da cidade.

O acesso ao estádio é igualmente fácil utilizando novamente o metrô: em 20 min, chega-se na estação Maracanã e, no desembarque, basta descer uma rampa (rampa da UERJ, a universidade que fica ao lado do estádio) e, no final dessa rampa, encontram-se as bilheterias para comprar os ingressos para o tour guiado. Novamente muito fácil de se chegar, graças ao metrô…rs.

Após essa visita, novamente sugere-se um passeio cult: uma visita ao Museu do Amanhã, no Centro da cidade. Trata-se de um dos mais recentes pontos turísticos inaugurados na cidade, mas que já faz um grande sucesso. Para chegar até lá, deve-se descer na estação de metrô Uruguaiana e andar não mais que 10 min até a Praça Mauá (que foi recentemente revitalizada), local onde se encontra o museu. Sem falar que ali também se encontra o Boulevard Olímpico, um grande passeio público onde as pessoas podem desfrutar de eventos culturais que sempre acontecem por lá, ver a arte de rua dos grafiteiros, apreciar a nova vista da zona portuária revitalizada e tirar aquela foto bacana com a pira olímpica que, embora as Olimpíadas tenham terminado, ficou por ali, como novo ponto turístico da cidade. Sem falar que, no final desse passeio público, ainda é possível visitar o AquaRio 🐠🐟, o Aquario Marinho da cidade, que hoje é o maior da América do Sul.

Por aqui, termina essa sugestão de roteiro para aqueles que estão planejando uma primeira visita ao Rio de Janeiro. Procurei ser o mais eficiente possível no que diz respeito à prioridade de locais a visitar, economia de tempo e economia de dinheiro…rs. Mas é sempre bom frisar: a cidade é muito grande e existem outros excelentes pontos a se visitar e que não foram incluídos nesse roteiro. Trata-se de uma cidade para se voltar muitas vezes para poder aproveitar tudo o que ela oferece. Apesar dos problemas que a cidade possui, é e continuará sendo uma das melhores opções de turismo dentro do Brasil.


Booking.com

The following two tabs change content below.
Luiz Carahu é professor, carioca, e apaixonado pela arte de conhecer lugares novos. Sempre que é possível, dá uma escapada para dar uma monitorada no mundo e ver se está tudo em ordem pelo planeta Terra...

4 pensamentos sobre “
Visita ao Rio de Janeiro: o básico em 5 dias… BARATO E EFICIENTE!

  1. Olá, professor. Estou programando uma viagem ao Rio em junho, no feriado. Irei eu e minha esposa, que ainda não conhece a cidade maravilhosa. Gostariamos de tomar uma cerveja com vc num desses locais sugeridos, o que acha? Mande uma resposta no e-mail, por favor. Abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *